quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Alunos discutem “Internet Mais Segura”
Os alunos dos 3.º e 4.º anos da Escola Básica Diogo Bernardes e os do 7.º ano da Escola Secundária participaram num colóquio sobre a utilização segura da internet.
As sessões foram dinamizadas pelos agentes Melo, Freitas e Barros, do Núcleo Escola Segura (NES) da GNR, e aconteceram no âmbito da celebração do Dia Internacional da Internet Mais Segura, que, todos os anos, se assinala em fevereiro.
Nos vários encontros, os agentes sublinharam as inúmeras vantagens da internet, mas chamaram também a atenção para os perigos que encerra, insistindo, por isso, na importância de uma navegação segura, consciente e responsável.
Em termos muito práticos, foram analisadas algumas situações de risco como, por exemplo, o fornecimento de dados pessoais, pelas consequências desastrosas que tal descuido pode acarretar, e a interação com estranhos.
Outra chamada de atenção relacionou-se com os cuidados que é necessário ter quando nos deixamos seduzir pelos jogos “online”, quase sempre anunciados como grátis, porque, na maioria dos casos, acabam por nos aliciar para comportamentos de risco, pedindo informações que nunca devem ser divulgadas.
Recorrendo à projeção de materiais multimédia, os agentes alertaram ainda os alunos para os perigos do “phishing”  (forma de fraude eletrónica, caracterizada por tentativas de adquirir dados pessoais de diversos tipos), do “cyberbullying” ou assédio virtual e para o risco da dependência, em prejuízo, por exemplo, do estudo e do descanso.
Em suma, o importante é usar a internet com segurança e responsabilidade, de uma forma saudável e equilibrada, tendo sempre consciência de que tudo o que se coloca na internet deixa de ser nosso e privado, ainda que, mais tarde, nos venhamos a arrepender e tratemos de apagar os conteúdos em causa.
As sessões revelaram-se muito interessantes, prendendo a atenção dos alunos que não se cansaram de partilhar experiências.
Sob o lema deste ano – “Cria e partilha com responsabilidade: uma internet melhor começa contigo” –, os encontros foram uma iniciativa conjunta do Grupo 550 (Informática), Biblioteca Escolar, Equipa PTE, Núcleo Escola Segura da GNR e Microsoft.
Biblioteca Escolar

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Celebrando o AMOR

A propósito do Dia dos Namorados, 
a Biblioteca da Escola Básica Diogo Bernardes 
vestiu-se a rigor.




[] Não quero, nem posso,
nem posso querer
viver sem ser vosso
e vosso morrer [].”

Garcia de Resende



Alunos do 9.º ano vão ao teatro

Os alunos do 9.º ano deslocaram-se a Braga para assistir à representação da peça “Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente.
A encenação decorreu no auditório da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva e esteve a cargo da companhia de teatro “ContraPalco”.
A visita inseriu-se no âmbito dos conteúdos programáticos da disciplina de Português e pretendeu ser mais um contributo para os discentes se inteirarem das características do teatro vicentino.
Durante a manhã, tiveram ainda oportunidade de percorrer algumas artérias do centro histórico da cidade de Braga.
Professora Rosa Maria Arezes

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018


Trabalhar 
a Literacia da Informação

Em articulação com os docentes de Apoio ao Estudo (5.º ano) e de Português e OFC (7.º ano), a Biblioteca Escolar desenvolveu um trabalho com todas as turmas dos 5.º e 7.º anos de escolaridade, centrado na formação de utilizadores e na promoção da literacia da informação.
A atividade foi de encontro ao Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular (PAFC) e aos conteúdos da disciplina de Português, nomeadamente, os relacionados com a pesquisa, seleção, recolha e tratamento de informação.
Numa primeira fase, o coordenador da BE/CRE dinamizou uma interação centrada nas várias etapas de elaboração de um trabalho científico, seguindo o modelo “The Big 6”: definição da tarefa (escolha do tema); estratégias de pesquisa; localização e acesso; utilização e tratamento da informação; síntese – como organizar a comunicação; e avaliação. Particular destaque mereceu o capítulo do tratamento da informação, evitando o plágio, e ainda a questão das citações e das referências e como fazer uma pesquisa fiável na internet.
Os alunos desenvolveram, depois, um trabalho prático de aplicação dos conteúdos acima referidos: pesquisa em suporte livro e em suporte digital, seleção orientada de informação e localização de fundo documental de acordo com as indicações fornecidas (CDU).
Os alunos do 5.º ano elaboraram uma biobibliografia de Diogo Bernardes, tendo em conta o tema abrangente do PAFC (História Local), enquanto os do 7.º ano desenvolveram idêntica atividade, mas centrada em Sophia de Mello Breyner Andresen, autora de “O Cavaleiro da Dinamarca”, obra que estava a ser estudada na disciplina de Português.
Este foi um trabalho muito produtivo, que a maioria dos alunos considerou de interesse elevado.
Biblioteca Escolar

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

O segredo do sucesso 
está dentro da biblioteca
A Escola Secundária de Ponte da Barca está no top 5 das que no secundário mais se distinguem no “ranking alternativo”.
A Biblioteca Escolar congratula-se com este bom desempenho e está empenhada em dar o seu contributo para que, dia a dia, continuemos a “Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras!”.
Veja aqui a reportagem do jornal “Público”, intitulada “O segredo do sucesso está dentro da biblioteca”.
Biblioteca Escolar

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Ler faz bem!
A leitura é um exercício valioso para o cérebro e para a capacidade da nossa mente, mas é, sobretudo, um caminho que nos aproxima da compreensão do mundo e da nossa própria compreensão e nos ajuda a estruturar o pensamento, a exprimir adequadamente as nossas ideias e os nossos sentimentos, a olhar, com espírito crítico, o mundo e a vida.
A leitura é um alimento inesgotável para a imaginação e para a criatividade, uma porta que nos permite estar sempre acompanhados e nos oferece o horizonte infinito do sonho, do mundo possível que nos empurra à ação.
Ler faz bem! Quem o garante, desta vez, são oito alunos do 12.º ano, no âmbito do seu “Projeto de Leitura”, na disciplina de Português…

O Quarto de Jack, de Emma Donoghue



O Quarto de Jack é uma história muito interessante, uma vez que retrata temas bastante atuais, como sequestros e violações de jovens.
Aconselho a sua leitura, não só pela história em si, mas também pela mensagem que nos transmite, alertando-nos para a sociedade em que vivemos e para os seus aspetos negativos.
Marta Araújo





A Metamorfose, de Franz Kafka
“Certa manhã, ao acordar, após sonhos agitados, Gregor Samsa viu-se na sua cama, metamorfoseado num monstruoso inseto”.
A Metamorfose conta-nos a história de um exemplar caixeiro-viajante, Gregor Samsa, que sofre a tragédia de se transformar num inseto, da noite para o dia. No entanto, Gregor é apenas a personagem escolhida por Kafka para materialização de uma ideia de marginalização, discriminação, angústia individual, solidão e desesperança humana. Através dele, é transmitida uma situação atual da qual milhares de pessoas são vítimas, vivendo praticamente ignoradas e sem conseguir comunicar com o Mundo.
Para além disso, nesta narrativa simbólica, tal como é característico deste autor, é explorado o totalitarismo da burocracia. Neste caso em particular, é caracterizado por um constante controlo da entidade hierarquicamente superior para com a inferior, o que se torna claro, por exemplo, quando, à mínima falha de Gregor com as suas responsabilidades profissionais, o seu chefe vai a sua casa, chamando a atenção para tal facto.
Deste modo, A Metamorfose é um livro cuja mensagem não deve ser interpretada no sentido literal sem ir além da sua história fictícia, que o torna, por isso, um dos livros mais influentes da literatura moderna.
                      Margarida Seco
O Teorema de Katherine, de John Green




A estrutura da história é completamente única. Foi tudo pensado ao pormenor, as palavras encaixam umas com as outras na perfeição e o contexto como tudo aconteceu é absolutamente incrível. 
Ana Isabel Pinheiro





Tudo, tudo… e nós, de Nicola Yoon
Tudo, tudo… e nós, de Nicola Yoon, conta a história de Madeline Whittier, portadora de uma doença extremamente rara que debilita o seu sistema imunológico e o torna incapaz de combater vírus e bactérias que fazem parte integrante do mundo em que vivemos. Esta sua condição de vida impede-a de sair de casa e de interagir com outras pessoas, para além da mãe e da sua enfermeira.
Apesar da sua deficiência a isolar do mundo, Maddy, que é uma jovem inteligente, curiosa e observadora, passa muito do seu tempo a ler. Além disso, frequenta aulas de arquitetura, durante as quais dá asas à sua criatividade com a construção de inúmeras maquetes, nas quais coloca sempre a figura de um astronauta, o seu alter ego, já que é assim que ela se sente em relação ao resto do mundo.
Os seus 18 anos foram passados num círculo vicioso: todo o seu mundo se resume à casa onde vive, sendo a janela do seu quarto o seu único contacto com o exterior. É precisamente através desta abertura para o horizonte que a sua vida se vai alterar, no dia em que vê pela primeira vez o seu novo vizinho.
Olly é o nome do rapaz. A sua silhueta alta, magra e sempre vestida de preto fá-lo parecer bastante ágil e confere-lhe um ar misterioso que desperta a atenção da rapariga. Esta atitude é mútua, pois a curiosidade do jovem torna-se evidente, mal vê Madeline à janela de sua casa. A partir desse momento, a jovem apercebe-se que existe mais para além daquilo que conhece e está disposta a arriscar para descobrir o mundo que a rodeia.
Esta obra veicula diversas mensagens relacionadas com temas como a resiliência, a esperança e a vontade de viver. De facto, Madeline poderia continuar a viver por muitos mais anos, protegida, no aconchego da sua casa, mas decidiu expor-se, para poder desfrutar plenamente de um momento único que a vida lhe oferecia.
Arriscar assim a vida pode parecer-nos uma atitude absurda e irrefletida, mas estaria Maddy realmente a viver, ou simplesmente a sobreviver?
Filipa Zamith
Queimada Vida, de Souad
Este livro fez-me pensar e refletir acerca de muita coisa... A desigualdade de género, a falta de liberdade e de direitos das mulheres, em certos países... Mas, principalmente, sobre o facto de que nós, mulheres, não temos bem a noção da sorte que temos em haver nascido aqui!
Este livro é um apelo contra o silêncio que cobre o sofrimento e a morte de milhares de mulheres. São elas, como poderíamos ser nós... Não podemos ficar indiferentes a isto!
Não posso dizer que gostei do que li, não gostei! Não queria que existissem livros assim, muito menos histórias de vida assim... Mas como, infelizmente, são uma realidade, este livro é como que um alerta e um apelo à mudança!
Aconselho vivamente a sua leitura! 
Micaela Oliveira
O Diário da Nossa Paixão, de Nicholas Sparks 
Para mim, O Diário da Nossa Paixão, de Nicholas Sparks, foi o mais emocionante e talvez o mais triste dos livros que já li.
 Ao longo da sua leitura, verifiquei que apresenta duas perspetivas de um grande amor que não acabava com o passar dos anos, mas tinha que se adaptar às diferentes fases da vida e às partidas que esta lhes pregava.
 Para concluir, posso afirmar que aprendi muito com este romance, principalmente a aproveitar a vida sempre da melhor forma possível, pois ela é só uma e não sabemos quando acaba.
Sandy Leitão






Viver Depois de Ti, de Jojo Moyes 



Este é um livro diferente. É um livro que não se lê quando se pretende saber mais ou saber coisas novas e diferentes. Mas, às vezes, é preciso um livro assim, que, mesmo não acrescentando nada ao que eu já sou e já tenho, me leva para longe, me faz refletir e olhar para a vida e para o seu valor, numa perspetiva diferente.
Inês Dias






Como Ser um Treinador de Excelência, de Alcino Rodrigues
O amor pelo Desporto, a paixão pelo Futebol, o gosto pela análise e pelo pormenor. Tudo isto leva-me a ter uma enorme vontade de querer aprender cada vez mais, para que um dia possa ensinar e deixar também a minha marca, não só na vida de vários atletas, como na história do desporto-rei. 
A persistência é o caminho do êxito e o caminho faz-se caminhando.
João Fernando Cunha

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Alunos do 12.º ano 
aplaudem Fernando Pessoa
Os alunos do percurso regular do 12.º ano de escolaridade deslocaram-se ao cine-teatro Garrett, na Póvoa de Varzim, para assistir uma interpretação teatral inspirada na obra de Fernando Pessoa.
O espetáculo esteve a cargo da associação artística “ETCetera”, que apresentou uma viagem pela poesia do ortónimo e dos heterónimos de Pessoa, nomeadamente, Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos, e ainda pelo “Livro do Desassossego” e pela “Mensagem”.
Ao explorar conteúdos programáticos da disciplina de Português no 12.º ano, a peça confrontou os alunos em termos de estudo e de aprendizagem, ao mesmo tempo que lhes proporcionou um momento de entretenimento:
Organizada pelo Grupo Disciplinar de Português, esta foi uma aula diferente, que se revelou ainda uma experiência muito enriquecedora sob o ponto de vista estético e artístico, fazendo com que os alunos apreciassem a riqueza comunicativa dos múltiplos códigos cénicos que os atores fizeram questão de exibir em palco, tais como adereços, movimento, som e voz.
A Organização